domingo, 20 de maio de 2012

O que a Igreja diz sobre a alma das pessoas que morrem?

Bom dia a todos!


Venho neste post compartilhar um texto que recebi do Informativo Cléofas. Achei muito rico este artigo para nosso conhecimento da doutrina católica e estou compartilhando, veja abaixo...


A Igreja ensina que quando morremos somos julgados por Deus, podendo ir para o céu, o purgatório terminar a purificação, ou mesmo para o inferno, se rejeitarmos a Deus. Veja o que diz o Catecismo da Igreja:


1008 - A morte é consequência do pecado. Embora o homem tivesse uma natureza mortal, Deus o destinava a não morrer (Sab 2, 23). A morte foi, portanto, contrária aos desígnios de Deus criador e entrou no mundo como consequência do pecado. "A morte corporal, à qual o homem teria sido subtraído se não tivesse pecado"(GS, 18), é, assim, o "último inimigo" do homem a ser vencido (1Cor 15,26).


1009 - A morte é transformada por Cristo. Jesus, o Filho de Deus, sofreu Ele também a morte, própria da condição humana. Todavia, a pesar do seu pavor diante dela (Mc 14, 33-34), assumiu-a em um ato de submissão total e livre à vontade de seu Pai. A obediência de Jesus transformou a maldição da morte em bênção (Rom 5, 19-21).


1010 - O sentido da morte cristã - Graça a Cristo a morte cristã tem um sentido positivo. "Para mim, a vida é Cristo, e morrer é lucro" (Fl 1, 21). "Fiel é esta palavra: se com Ele morremos, com Ele viveremos" (2Tm 2, 11). A novidade essencial da morte cristã está nisto: pelo Batismo, o cristão já está sacramentalmente "morto com Cristo" para viver uma vida nova; e, se morrermos na graça de Cristo, a morte física consuma esse "morrer com Cristo" e completa, assim, nossa incorporação a ele em seu ato redentor.


1011 - Na morte, Deus chama o homem a si. É por isso que o cristão pode sentir, em relação à morte, um desejo semelhante ao de S. Paulo: "O meu desejo é partir e estar com Cristo" (Fl 1, 23) e pode transformar sua própria morte em um ato de obediência e de amor ao Pai, a exemplo de Cristo. (Lc 23, 46)


1013 - A morte é o fim da peregrinação terrestre do homem, do tempo de graça e de misericórdia que Deus lhe oferece para realizar sua vida terrestre segundo o projeto divino e para decidir seu destino último. Quando tiver terminado "o único curso de nossa vida terrestre" (LG, 48), não voltaremos mais a outras vidas terrestres. "Os homens devem morrer uma só vez" (Hb 9,27). Não existe reencarnação depois da morte.


1014 - A Igreja nos encoraja à preparação da hora da nossa morte ("Livra-nos Senhor, de uma morte súbita e imprevista": antiga ladainha de todos os santos), a pedir à Mãe de Deus que interceda por nós "na hora da nossa morte" (Ave-Maria) e a entregar-se a São José, padroeiro da boa morte.


Mortos


1055 - Em virtude da "comunhão dos santos", a Igreja recomenda os defuntos à misericórdia de Deus e oferece em favor deles sufrágios, particularmente o santo sacrifício eucarístico.


Juízo Final


1059 - A santíssima Igreja romana crê e confessa firmemente que no dia do Juízo todos os homens comparecerão com o seu próprio corpo diante do tribunal de Cristo para dar contas de seus próprios atos" (DS 859,1549)


1038 - A ressurreição de todos os mortos, "dos justos e dos injustos" (At 24, 15), antecederá o Juízo Final. Este será "a hora em que todos os que repousam nos sepulcros ouvirão sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para uma ressurreição de vida; os que tiverem praticado o mal , para uma ressurreição de julgamento" (Jo 5, 28-29). Então Cristo "virá em sua glória, e todos os seus anjos com Ele. (...) E serão reunidas em sua presença todas as nações, e Ele há de separar os homens uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos...


1039 - É diante de Cristo - que é a Verdade - que será definitivamente desvendada a verdade sobre a relação de cada homem com Deus (Jo 12, 48). O Juízo Final há de revelar, até as últimas conseqüências o que um tiver feito de bem ou deixado de fazer durante a sua vida terrestre.


1040 - O Juízo Final acontecerá por ocasião da volta gloriosa de Cristo. Só o Pai conhece a hora e o dia desse Juízo, só Ele decide de seu advento. Por meio de seu Filho, Jesus Cristo, Ele pronunciará então sua palavra definitiva sobre a história. Conheceremos então o sentido último de toda a obra da criação e de toda a economia da salvação, e compreenderemos os caminhos admiráveis pelos quais sua providência terá conduzido tudo para seu fim último. O Juízo Final revelará que a justiça de Deus triunfa de todas as injustiças cometidas por suas criaturas e que seu amor é mais forte que a morte (Ct 8,6).


1041 - A mensagem do Juízo Final é apelo à conversão enquanto Deus ainda dá aos homens "o tempo favorável, o tempo da salvação" (2Cor 6,2). O Juízo Final inspira o santo temor de Deus. Compromete com a justiça do Reino de Deus. Anuncia a "bem-aventurada esperança" (Tt 2,13) da volta do Senhor, que "virá para ser glorificado na pessoa dos seus santos e para ser admirado na pessoa de todos aqueles que creram (2Ts 1,10).


681 - No dia do juízo, por ocasião do fim do mundo, Cristo virá na glória para realizar o triunfo definitivo do bem sobre o mal, os quais, como o trigo e o joio, terão crescido juntos ao longo da história.


682 - Ao vir no fim dos tempos para julgar os vivos e os mortos, Cristo glorioso revelará a disposição secreta dos corações e retribuirá a cada um conforme as suas obras e segundo tiver acolhido ou rejeitado a sua graça.


Juízo Particular


1051 - Cada homem, em sua alma imortal, recebe sua retribuição eterna a partir de sua morte, em um Juízo Particular feito por Cristo, juiz dos vivos e dos mortos.


1021- A morte põe fim à vida do homem como tempo aberto ao acolhimento ou à recusa da graça divina manifestada em Cristo (2Tm 1,9-10). O Novo Testamento fala do juízo principalmente na perspectiva do encontro final com Cristo na segunda vinda deste, mas repetidas vezes afirma também a retribuição, imediatamente depois da morte, de cada função das suas obras e da sua fé. A parábola do pobre Lázaro (Lc 16,22) e a palavra de Cristo na cruz ao bom ladrão (Lc 23,43), assim como outros textos do Novo Testamento (2Cor 5,8; Fl 1,26; Hb 9,27; 12,23) falam de um destino último da alma, que pode ser diferente para uns e outros.


1022 - Cada homem recebe em sua alma imortal a retribuição eterna a partir do momento da morte, num Juízo Particular que coloca sua vida em relação à vida de Cristo, seja através de uma purificação (Conc. de Lião II, DS 856; Conc. de Florença, DS 1384; Conc. de Trento, DS 1820), seja para entrar de imediato na felicidade do céu (Con. de Lião II, DS 857; João XXII, DS 991; Bento XII, Benedictus Deus; Conc. de Florença, DS 1305), seja para condenar-se de imediato para sempre (Conc. de Lião II, DS 858; Bento XII, Benedictus Deus; Conc. de Florença, DS 1306).

2 comentários:

  1. AS VÁRIAS FACES E DISFARCES DO ESPIRITISMO-ANIMISMO-REENCARNACIONISMO, OCULTISMO, MAGIA, NOVA ERA/NWO E CONEXÕES COM O SATANISMO.
    A Igreja Católica proíbe a idolatria, como: consultar advinhos, cartomantes, tarô, kardecistas, mães/pais-de-santos e horoscopistas; idem, tatuar-se de cobras, escorpiões lagartos, sinais externos de pertença ao demônio, portar amuletos, figas, patuás para evitar o mal e atrair o bem, recitar "orações fortes", correntes de oração, evocar mortos, frequentar umbanda, candomblé, vodu, ir a igrejas evangélicas quase todas - anúncios a rodo - adotantes de mesmas práticas espíritas, como expulsão de supostos maus espíritos e afastar malefícios, turbinar a vida financeira, admitir a herética teologia da prosperidade - a teologia do "ter", não do "ser" etc., tentam a Jesus como o diabo, querendo usá-lo por interesses, são práticas condenáveis pela Igreja, pois há sensível participação de forças ocultas.
    Não é de duvidar também que muitas das supostas manifestações, comunicações mediúnicas de espiritismo são fraudes de mágicos, como o caso de supostos espíritos de mortos em contato com vivos, ocultismo ou sugestões hipnóticas de cura; aliás, não existe católico-espírita, apenas espírita que se diz católico, idem o doutro ramo, o kardecismo, ambos reencarnacionistas, em confronto com o Evangelho, pelo qual após a morte a alma é levada a julgamento, Hb 9,27: está escrito que todos hão de morrer uma sóvez, depois de que segue-se o juízo; idem Jesus na cruz dizendo ao ladrão arrependido, etc.
    Incluem-se sedutores filmes e revistas de aparências inocentes e ingênuas, estilo Harry Potter, Anime Naruto, envolvendo "diabinhos, monstrinhos" e "bruxinhos" etc, os mais diversos seres cósmicos, porém bem engendradas maquinações de Satanás indo sutilmente envolvendo e atiçando a mente especialmente das crianças, aderindo às práticas esoteristas até à subversão total; o método do diabo é: apertar o cerco aos poucos, até chegar à captura definitiva da pessoa a ponto de quase obstruir uma reeducação cristã.

    Idem, o mesmo conceito perverso se atribui às religiões orientais, também algo filosóficas como as práticas meditacionais da Yoga, Seicho-no-ye e outras "holísticas" de curas integrais em que há explícito panteísmo e deísmo subjetivo, em que a pessoa por práticas meditacionais pode integrar se a Deus.

    Ao Deus único e trino pertence o futuro e toda vez que, de alguma forma tentamos desvendá-lo, ou conhecer o oculto, para fazer ou não acontecer algo, somos tentados e consentimos no orgulho e soberba ao assim agirmos: o querermos ser como Deus, de forma implícita no mínimo; dominar o invisível à nossa volta, de forma a mantê-lo sob controle de nossos ideais e interesses.
    Há várias referências bíblicas à condenação dessas atitudes idolátricas, no AT: em Dt 18,10, Jr 28,29 2 e Is 8,9 Rm, etc., e no NT como em Mt 6,24 e Lc 16,13: Ninguém pode servir a dois senhores... E em todos e a Igreja adverte de não prática dessas ações, graves desvios na fé cristã. Confira o Catecismo Católico: 2115- 2117.
    Sem dúvida, é atestado público de desconfiança na pessoa e poder de Jesus de nos proteger e salvar plenamente, já que por duvidar ou achar que não nos protege ou atende o suficiente, recorremos a outras "forças ocultas" para suprir tal deficiência que julgamos existir de alguma forma de sua parte; quem assim procede e se mantém, está dominado; é desde já comparsa de Satanás para a eternidade afora...

    ResponderExcluir
  2. Oi irmãos. Quero lhes dizer que seu blog está contido em minha lista de blogs. Ficaria alegre se vc acrescentasse em sua lista o link ao meu blog Católico, Eu Político http://egopoliticus.blogspot.com. Todo ele com conteúdos católicos, confira e faça links. Fiquem com Deus. Seu irmão blogueiro Adimilson.

    ResponderExcluir